xxxxxxx

xxxxxxx

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Mapa de cinzas em tempo real (visão aérea)





josef koudelka, 1968.



Em sobressalto, olhos embaçados, 
implorar ao aparelho a última soneca.
Mais 5 minutos. 
Só mais 5. 
5. 
Mais 
cinco 
minutos.

O atraso.

Em sobressalto, olhos embaçados,
levantar: segunda-feira de cinzas.

Há o impulso de deitar-se de novo.
Resistir. 
Respirar, esfregar os olhos embaçados.

Abrir as cortinas para convencer as retinas.
Seis horas da matina e lento se levanta um dia
cinza, num tempo 
cinza, a nuvem 
cinza se agita e esconde o sol.

Pra sempre. 
Parece. 
Impressão.

A pressa.
As pressões.
Pra sempre, parece.

Desenhar um círculo no espelho embaçado.
Aparece um rosto cinza. 
Acenar de leve. Dizer "sinto muito"
a quem fomos 
ontem. 
Resistir. 
Respirar, esfregar os olhos embaçados.

A chave
cinza abre a porta 
cinza do elevador. Apertar o botão 
cinza do térreo 
cinza (enganado por patéticos enfeites natalinos.)
Ali, encontrar o jornal 
cinza onde um "gestor"
cinza acena fantasiado de gari, e o guri 
cinza jaz condenado na cena
cinza do crime.

Crise. Crime. Crítica, a situação. 
Esfregar os olhos embaçados.

Abrir o portão cinza cheirando a tinta fresca, caminhar na calçada cinza, atravessar a rua de asfalto cinza quase preto (quase), passar diante de mais um muro cinza que cheira a tinta cinza fresca - a cidade inteira cheirando a tinta  cinza fresca,tinindo de cinza, a cidade inteira em chamas, em cinzas, os gritos dos muros ardem - mas calam,cinzamente.

A cidade é uma mancha cinza no mapa.

Debaixo das pontes, um degradê cinza são
pessoas. 
Os gritos das pessoas ardem também.
Os gritos das pessoas se afogam
sob o jato de água cinza da GCM 
- homens de olhos embaçados
num uniforme cinza
limpam a cidade cinza.
A cidade fica limpinha,
tinindo de
cinza (s).

O sol escondido - pra sempre, parece - 
aquece o asfalto 
e a água cinza da GCM 
vai evaporando 
lentamente 
e quase é possível ouvir os gritos das pessoas 
subindo pelo vapor
aos ouvidos tapados dos transeuntes 
da cidade
e misturando-se a fumaça
cinza dos carros.

Sim,
com a fumaça cinza dos carros vêm os gritos no vapor cinza da água da GCM e é isso o que entra goela abaixo e pulmão adentro
dos transeuntes
da cidade.

Resistir.
Respirar.

Tossir o oxigênio cinza meio morto da metrópole apressada. 
Pressa.
As pressões. 
As pessoas.
Apertar-se num vagão cinza fedendo a sardinha cinza enlatada.
Os olhos inertes consomem a pequena televisão muda do metrô.
Next Station.
Linha vermelha, amarela, lilás, rubi, esmeralda, coral. 
Nomes coloridos para estações sem cor.
Pedras preciosas no caminho de quem não tem nada.

Caminhar. Esfregar os olhos embaçados.
Sem sobressalto, observar os famintos e sentir nojo 
daquela baba cinzenta a escorrer 
pelos cantos da boca, pelas guias, pelas ruas,
pelas veias.
A baba cinza da fome.
Corre pelo sistema
nervoso 
da cidade,
ocupa seus subterrâneos junto aos ratos.
A baba fétida e cinza da fome.

Engolir cafeína para convencer as retinas.
Um dia difícil, o edifício aguarda o início
do expediente, extenuante.
Hesitar, pagar uma fortuna pelo café insosso,
ajeitar os ossos, respirar sem êxito, sonhar o êxodo,
e exilado de si saborear a morte num gole de cachaça depois
do expediente, extenuante.
Expropriar a vida e explodir tudo
num fogo cinza - diz sem saber de nada o peito devastado
onde dorme um órgão cinza, pulsando e espalhando pelo corpo todo 
uma substância cinza,
salgada e pouco espessa feito lágrima. 
O choro, o sapo, o gole, goela adentro e 
pulmão abaixo
dos transeuntes 
da cidade.


Amaldiçoar o arrastar do tempo,
esperar o trem, mastigar o pão, salivar o fim.

(Dá pra sentir, no silêncio, uns fios de cabelo perdendo a cor.
E o sulco das rugas abrindo picadas rumo à saída,
no mais íntimo da pele,
no mais ínfimo da vida.)

Olhar os policiais vestidos de cinza como seus prisioneiros, 
todos cativos, todos cativos
nessa valsa cinza, nessa vida cinza,
nessa engrenagem.

A massa
cinzenta
adormece
sob o ruído branco 
enquanto o pulso da cidade cinza
expulsa rios e rios de sangue vermelho
inocente
para as margens.

Nenhum comentário:

Postar um comentário